Diretor de escola estadual é destaque da categoria educação do Prêmio Bom Exemplo

Diretor da Escola Estadual Antônio Corrêa e Silva desde 2003, Odair Nunes de Almeida, é o finalista da categoria Educação do Prêmio Bom Exemplo. Iniciativa da Globo Minas e da Fundação Dom Cabral, o Prêmio tem por objetivo reconhecer ações e atitudes solidárias que melhor contribuam para o desenvolvimento de um ambiente urbano agradável, abrangendo às áreas cultural, social, esportiva, patrimonial e ecológica.

O educador atribui a premiação ao trabalho que desenvolve na escola. “O trabalho que estamos desenvolvendo na comunidade é feito sob várias mãos, não só por mim. Sempre buscamos ouvir a comunidade e desenvolvemos ações da Secretaria de Estado de Educação e projetos próprios. Acho que é por isso que recebemos o Prêmio. É um reconhecimento do nosso trabalho e nos dá mais ânimo para desenvolver cada vez mais ações”, destaca Odair.

Odair é diretora da escola desde 2003. Foto: Arquivo da Escola
Odair é diretora da escola desde 2003. Foto: Arquivo da Escola

 

Localizada na comunidade quilombola remanescente do Quilombo Alegre, em Januária, a Escola Estadual Antônio Corrêa e Silva atende a cerca de 310 alunos do Ensino Fundamental e do Ensino Médio. Além dos alunos da comunidade quilombola, também estudam na escola alunos de outras nove comunidades rurais.

A escola conta com vários projetos estratégicos, como explica Odair. “Temos o projeto ‘Canta e Dança Escola’, no qual trabalhamos a consciência negra. Dentro dele, implantamos uma ação de leitura, que é o ‘Lendo, escrevendo e cantando no quilombo’, nele, cada professor tem uma maletinha com livros literários e nós estimulamos a leitura em diferentes espaços. Também temos a Feira do Conhecimento”.

O Sistema Integrado de Produção de Alimentos Agroecológico é outra ação da escola. “Temos uma hidroponia onde o nosso foco é o alface e também temos vários modelos de canteiros tradicionais no chão. São os alunos e servidores da escola que cuidam. Além disso, temos um criatório de galinhas, uma composteira, um viveiro de mudas de plantas de arborização e frutífera, um pomar e estamos implementando um minhocario”, afirma Odair.

Em 2016, a escola recebeu o “Prêmio Desenvolvimento Educacional Inclusivo: a escola no enfrentamento das desigualdades sociais”, concedido pelo Ministério da Educação (MEC). A escola ficou em segundo lugar pelas práticas de Educação Inclusiva desenvolvidas na Sala de Recursos, que envolveram todos os agentes e ambientes escolares.

Feira do conhecimento é realizada todo ano na escola. Foto: Arquivo da Escola
Feira do conhecimento é realizada todo ano na escola. Foto: Arquivo da Escola

 

No mesmo ano, o diretor recebeu a maior honraria que o Estado de Minas Gerais concede aos cidadãos brasileiros e estrangeiros: a Medalha da Inconfidência. A indicação do educador partiu da Secretaria de Educação, que reconheceu o trabalho que a Escola Estadual Antônio Corrêa e Silva realiza no campo na inclusão. Como diretor da escola, Odair desenvolveu, junto com a professora Roseli Viana Santos Mameluk, atividades que contribuem para o enfrentamento das desigualdades sociais e inclusão de crianças, jovens e adolescentes em situação de vulnerabilidade social.

O Prêmio

O Prêmio Bom Exemplo seleciona ações que ajudam na qualidade de vida em todo o Estado e premia as melhores em diversas categorias. O prêmio é realizado pela TV Globo e Fundação Dom Cabral.

Conheça os finalistas

Cultura – Nil César. Coordenador do coletivo de teatro e espaço cultural Grupo do Beco, no Morro do Papagaio, onde transforma a realidade local por meio de diversas atividades.

Economia e Desenvolvimento de Minas – Rubens Menin. Graduado em engenharia civil pela UFMG, tem sua carreira profissional dedicada ao Grupo MRV, onde ocupa o cargo de presidente do Conselho de Administração.

Escola conta com uma horta. Foto: Arquivo da escola
Escola conta com uma horta. Foto: Arquivo da escola

 

Educação – Odair Nunes de Almeida. Diretor da Escola Estadual Antônio Corrêa e Silva, na comunidade quilombola remanescente de Quilombo Alegre, em Januária, no Norte de Minas. A instituição é reconhecida por seu trabalho de inclusão.

Inovação – Rochel Monteiro Lago. Doutor em química inorgânica e professor da UFMG, coordena também o projeto IARA, que tem por objetivo tratar água de rios contaminados por acidentes ambientais.

Ciência – Ado Jório de Vasconcelos. Professor titular do Departamento de Física da UFMG, foi incluído na lista “Highly Cited Researchers, da Thomson Reuters, sendo considerado um dos cinco cientistas brasileiros mais influentes do mundo.
Meio ambiente – Alice Lorentz de Faria Godinho. Ativista e defensora das águas e do verde do Vale do Mucuri. Ganhou vários prêmios ligados às causas ambientais.

Esporte – Projeto Transformação. Coordenado pela ex-jogadora Ana Flávia, é uma associação que tem como pilar principal o voleibol para crianças e adolescentes na comunidade do Vila Estrela (Morro do Papagaio).

Personalidade do ano – Elza Machado de Melo. Graduada em medicina pela UFMG, é fundadora do Ambulatório de Práticas de Promoção de Saúde da Mulher em Situação de Violência e Vulnerabilidade/HC – Para Elas.

Homenageado do ano – Artur Almeida. Morto no ano passado vítima de uma parada cardiorrespiratória, o jornalista trabalhou durante muitos anos na TV Globo e apresentou as oito edições do Prêmio Bom Exemplo.
A entrega do troféu para os premiados está marcada para o dia 08 de maio.

A escola Quilombola Antônio Correia e Silva, localizada na comunidade quilombola de Alegre, em Januária, possui um canal moderno de comunicação com a comunidade escolar: um blog com o mesmo nome da escola, que pode ser acessado pelo endereço: http://blogantoniocorreaesilva.blogspot.com.br/.