Memória Lélia Gonzalez: o feminismo negro no palco da história

Em Belo Horizonte, no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) acontece o lançamento local do Projeto “Memória Lélia Gonzalez: o feminismo negro no palco da história”, iniciativa da Fundação Banco do Brasil, Brasilcap e Rede de Desenvolvimento Humano – Redeh. O evento, que conta com a parceria da Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais e Secretaria de Estado de Direitos Humanos Participação Social e Cidadania de Minas Gerais , será na segunda-feira (14/09), entre 18h e 20h30, no Teatro 1.

Mineira de Belo Horizonte, historiadora, antropóloga, filósofa, autora de livros e diversos artigos, Lélia Gonzalez (1935 – 1994) foi uma das fundadoras do Movimento Negro Unificado (MNU). Educadora, ativista e intelectual de destaque, seu pensamento contribuiu para a formação de uma consciência crítica em relação aos preconceitos que mantêm mulheres negras em desvantagem na sociedade.

Foto: Divulgação

A solenidade começa com a exibição do documentário “Lélia Gonzalez – o feminismo negro no palco da História”, elaborado pelo Projeto Memória e parte integrante da iniciativa. Em seguida acontece o Tributo à Lélia Gonzalez, do qual participam Rubens Rufino, economista e filho de Lélia; Dulce Pereira, feminista, ambientalista negra e professora da Universidade Federal de Ouro Preto; Cleide Hilda de Lima Souza, subsecretária estadual de Políticas de Promoção da Igualdade Racial; Marcos Antônio Cardoso, militante do movimento negro, filósofo e mestre em História; e Áurea Carolina de Freitas e Silva, integrante do Fórum da Juventude de BH.

Na sequência inicia-se a composição da mesa de lançamento do Projeto Memória. Além do presidente da Fundação Banco do Brasil, José Caetano de Andrade Minchillo e da coordenadora executiva da Redeh Schuma Schumaher, participam a ministra da Secretaria de Promoção de Políticas para a Igualdade Racial, Nilma Lino Gomes; a secretária estadual de Educação, Macaé Maria Evaristo dos Santos; o secretário estadual de Cultura, Ângelo Osvaldo de Araújo, o secretário de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania, Nilmário Miranda; e Rosália Diogo, curadora do Festival de Arte Negra.

A abertura da exposição itinerante “Lélia Gonzalez: O feminismo negro no palco da história” encerra a noite de homenagens. Entre quarta (16/09) e domingo (20/09) a exposição de 16 painéis ficará disponível ao público, no pátio do CCBB Belo Horizonte, com entrada gratuita. Para acessar a programação do Memória no CCBB Belo Horizonte clique aqui. Os materiais do Projeto Memória estão disponíveis para download no site: http://www.projetomemoria.art.br/leliaGonzalez/index.jsp.

Projeto Memória – Realizado pela Fundação Banco do Brasil desde 1997, o Projeto Memória é uma tecnologia social de educação que visa difundir a obra de personalidades que contribuíram significativamente para transformação social, formação da identidade brasileira e desenvolvimento do país.

Em edições anteriores já foram homenageados nomes como o poeta Castro Alves, o escritor Monteiro Lobato, o jurista Rui Barbosa, o navegante Pedro Álvares Cabral, o presidente Juscelino Kubitschek, o sanitarista Oswaldo Cruz, o sociólogo Josué de Castro, o educador Paulo Freire, a feminista Nísia Floresta, o líder da Revolta da Chibata João Cândido, o Marechal Rondon e o poeta Carlos Drummond de Andrade. Saiba mais no http://www.projetomemoria.art.br.

Serviço:
Lançamento do Projeto “Memória Lélia Gonzalez: o feminismo negro no palco da história” no CCBB Belo Horizonte (MG)

Data: 14 de setembro de 2015, segunda-feira
Horário: das 18h às 20h30
Local: Teatro 1, Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB)
Endereço: Praça da Liberdade 1127 – Savassi, Belo Horizonte (MG)

Confirmações de presença pelo e-mail eventos@educacao.mg.gov.br, sujeitas à lotação do espaço.